Pesquisadores avaliaram os benefícios do dronabinol, um sintético de Cannabis, em três pacientes diagnosticados com Transtorno Obsessivo Compulsivo

Felipe Germano 

Crédito: Wikicommons / Howard Hughes, aviador e engenheiro aeronático que ganhou as telas de Hollywood, tinha Transtorno Obsessivo Compulsivo

Em 2005, o filme que fez a rapa nos Oscar, com 5 estatuetas, foi O Aviador. De Scorsese, a obra conta a história real de Howard Hughes: um americano criado em meio à, olhe só, uma quarentena (a de cólera que assolou Houston em 1912). Hughes cresceu e se tornou engenheiro, diretor e, claro, o tal do aviador do título – mas uma das cenas mais chocantes não envolve aviões. Interpretado por Dicaprio, Hughes lava as mãos incessantemente até elas sangrarem.

Isso porque, além de bem sucedido, ele tinha Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Agora, um novo estudo mostra que talvez isso não tivesse acontecido, se o protagonista passasse por tratamentos mais modernos: a pesquisa sugere que um sintético de THC pode ajudar no tratamento de TOC.

Para chegar à esta conclusão, o estudo, feito pela Universidade de Columbia, reuniu estudos que tentavam entender tanto como funcionava o cérebro de pessoas com TOC, quanto o efeito da maconha no sistema nervoso de todos nós. Foram selecionados 150 estudos que falavam ora sobre uma coisa, ora sobre outra – mas que quando cruzados podiam nos levar a algumas conclusões interessantes.

Os pesquisadores, então, detectaram as principais formas pelo qual o TOC se manifesta. Em geral, pacientes com o transtorno sentem uma quantidade anormal de ansiedade, medo e criam comportamentos repetitivos. O próximo passo foi entender como a Cannabis age frente a essas situações.

Medo e Ansiedade

Os pesquisadores encontraram coerência na combinação medo e/ou ansiedade + Cannabis: em geral, as pesquisas mostravam que derivados de maconha tendiam a acalmar seus usuários.

“A relação entre canabinoides, ansiedade e medo têm sido bem explorada nas pesquisas clínicas”, dizem os responsáveis pelo estudo. “E os resultados têm apontado que o canabinol e o dronabinol (sintético de Cannabis) atenuam os estímulos de medo recebidos por nosso cérebro”, completam.

Comportamentos compulsivos

O TOC, no entanto, não é conhecido pelo medo de seus portadores. O que costuma lhe caracterizar são as ações repetitivas de quem tem o transtorno. Mas elas não aparecem só entre os diagnosticados com essa condição específica. Foi justamente em portadores de outros transtornos que os pesquisadores conseguiram encontrar um maior número de estudos para serem analisados.

“Pesquisas com pacientes diagnosticados com Tourette têm indicado que fumar maconha pode reduzir tic motores e também a urgência de praticar comportamentos compulsivos”, afirmam os pesquisadores. A informação é extremamente relevante. Quem tem Tourette não consegue controlar impulsos como emitir sons ou movimentar o corpo de forma brusca repentinamente. Para os responsáveis pelo estudo, esses movimentos são causados pela mesma parte do cérebro que obriga portadores de TOC a criarem rituais de repetição. Uma solução para um talvez ajude os dois.

A descoberta é definidora?

Em partes. Os próprios cientistas envolvidos no relatório confessam: há pouquíssimas pesquisas que relacionam diretamente o efeito da cannabis em portadores do Transtorno. “Até hoje, apenas três estudos reportaram os efeitos de canabinoides em sintomas do TOC”, afirma o texto. Apesar de ser uma amostra muito pequena, os resultados foram bons.

A primeira das pesquisas girou em torna de uma mulher de 38 anos diagnosticada com depressão e TOC. Durante 10 dias, cientistas acrescentaram dronabinol ao seu antidepressivo. Ao fim do estudo, ela havia caído de 20 para 10 pontos na Escala de Yale-Brown (principal método para avaliar pacientes obsessivos compulsivos). Na prática, isso significa que ela passou de “moderada” para “amena”.

O segundo teste envolveu um homem de 36 anos com esquizofrenia e TOC. Por 12 dias também recebeu doses de dronabinol, um THC sintético. Caiu de 25 para 15 pontos na mesma escala.

O terceiro estudo avaliou o caso de um homem de 24 anos que desenvolveu TOC após um derrame. Por duas semanas tomou dronabinol e ao final dos testes tinha passado de 39 para 10 pontos.

E agora?

Os pesquisadores acreditam que novos estudos devem ser feitos, para que qualquer conclusão possa ser realmente feita. Mas se mostraram confiantes de que produtos a base de cannabis podem ter efeitos positivos entre pacientes.

“Os medicamentos canabinoides têm o potencial de produzir novas farmacoterapias muito esperadas por aqueles que sofrem os efeitos debilitantes do Toc. Mas apenas uma exploração mais aprofundada deste tópico determinará se os canabinoides passam o teste mais importante: ajudar mais pacientes com Toc a alcançar seu bem-estar.”, concluem.

Grãos são ricos em proteínas, ômega e minerais e podem ser usados como acompanhamento de granola, vitaminas ou saladas. Saiba tudo sobre o uso alimentar – e milenar – das sementes de Cannabis.

Carol Castro 

Tem sabor de nozes, quase semelhante às sementes de girassol. Mas um pouco mais macias. Nos Estados Unidos, já teve quem vendesse, entre os anos 1990 e começo dos anos 2000, hamburguer vegetariano à base de soja e sementes de maconha – era o Tempeh Burguer. A moda caiu, a fábrica cessou as vendas.

Mas o potencial nutricional dessas sementes, conhecido há milênios no oriente, nunca se perdeu. Pelo contrário: em alguns países, consumir sementes descascadas de Cannabis, com frutas, como se fossem cereais, ou em saladas parece tão em alta quanto usar sementes de chia ou linhaça ou tomar vitamina com whey.

Não que as sementes sejam capazes de deixar alguém chapado. O THC presente nelas quase nem aparece quando examinado nas bancas dos laboratórios – a porcentagem na composição passa bem longe dos 0,1%. Ao menos é o que se espera.

Um estudo canadense mostrou que alguns desses produtos têm sofrido contaminação ao longo do processo, já que as fabricantes trabalham também com óleos medicinais de CBD e THC, e apresentando mais THC do que o permitido pela lei de lá. Nada que um cuidado maior com a limpeza, com o uso de etanol ou outros solventes antes do empacotamento, não resolva, segundo os próprios pesquisadores. De qualquer forma, ninguém consome semente de Cannabis para ficar doido. A onda das sementes é outra: proteínas.

Composição das Sementes

E não são poucas – as sementes têm até 30% de proteínas em sua composição. Quando retiradas as cascas, como deve ser preparada para o consumo, esse percentual sobe para 35,9%. Na prática, se você consumir 100 gramas dessa semente, terá atingido 63% da recomendação de consumo diário de proteína. Fora isso, ainda terá ingerido outras vitaminas e minerais essenciais, como zinco, manganês, cálcio e ferro.

“É extremamente nutritiva e tem sido negligenciada. O óleo poderia ser usado na salada, e a semente em si pode ser consumida como se fosse granola. É um alimento funcional”, explica a médica Carolina Nocetti, fundadora da InterCan (International Cannabis Academy), centro de educação sobre sistema endocanabinoide e Cannabis medicinal. “E ainda tem uma grande concentração de ômega”.

Tem mesmo – em proporções diferentes de outras sementes da moda, como linhaça e chia. Para se ter ideia, cada duas ou três colheres de sopa (cerca de 30 gramas) de sementes de Cannabis têm 6,6 gramas de ômega-6 e 2 gramas de ômega-3, enquanto a chia possui 1,6g, e 4,9g e respectivamente. E a grande vantagem dessas gorduras “do bem” é que ajudam a manter a saúde do coração.

Não só os ômegas atuam dessa maneira. Um dos aminoácidos, que são como blocos que formam as proteínas, presentes na semente de Cannabis o mais comum é a argimina.

“É um precursor do ácido nítrico, um agente vaso dilatador que melhora o fluxo sanguíneo, e contribui com a manutenção normal da pressão sanguínea”, diz este estudo chinês.

Fora esses benefícios, o estudo ainda menciona outros potenciais efeitos do consumo desse alimento: antioxidante, antihipertensivo, e controle e regulação do nível de açúcar no organismo. Ou seja: sementes de cânhamo não chama a atenção à toa. E poderia ser parte da nossa dieta.

Após o Conselho Federal de Medicina e o Ministério da Saúde autorizarem atendimento médico remoto durante o período da pandemia causada pela Covid-19, pacientes que fazem uso de derivados da maconha podem seguir com os tratamentos, sem risco de se expor ao vírus

Danilo Lacalle 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou o uso da telemedicina para atendimento de pacientes,  diante da pandemia do novo coronavírus. O atendimento a distância, justamente pela política de distanciamento social, está sendo implementada no Brasil e em todo o mundo. A medida vale durante o período de quarentena causada pelo Covid-19.

Mas o que isso implica aos pacientes de Cannabis medicinal?

Com essa medida, o CFM busca contribuir para o aperfeiçoamento e a equidade de eficiência dos serviços médicos prestados no país, mesmo na situação atual.

Agora, a telemedicina poderá ser exercida nos seguintes moldes, durante a pandemia: teleorientação, que permite que médicos realizem a distância a orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento; telemonitoramento, que possibilita que, sob supervisão ou orientação médicas, sejam monitorados a distância parâmetros de saúde ou doença e a teleinterconsulta, que permite a troca de informações e opiniões exclusivamente entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico.

Essas práticas são essenciais aos pacientes de Cannabis medicinal, que podem continuar com seus tratamentos de doenças crônicas e reumáticas, sem sair de casa, onde correm risco de serem infectados pelo Covid-19.

Para a Dra. Ana Paula Dall’Stella, especialista em radiologia e diagnóstico por imagem, e que há 5 anos trabalha com medicina funcional, além de ser pioneira na prescrição de derivados da planta no Brasil, o atendimento por telemedicina está sendo “prático e excelente”.

“Para os pacientes de Cannabis medicinal, a medida é essencial. Isso porque muitos estão no grupo de risco, que são as pessoas acima de 60 anos de idade, mas principalmente as que apresentam alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão, ou doenças auto-imunes”, afirma.

O atendimento entrou em vigor para que a medicina caminhasse no mesmo sentido do trabalho conjunto realizado por todas as autoridades públicas de saúde estabelecidas em prol da população brasileira.

Com a permissão do Ministério, ficou permitido aos médicos fazerem consultas por meio de tecnologias interativas de comunicação, monitorar pacientes, além de emitir atestados, receitas médicas e determinar o isolamento domiciliar.

Fato que, para os pacientes de Cannabis, que em sua maioria não podem ficar sem o acesso às receitas médicas para a compra do medicamento, auxiliou a encurtar o tempo de espera para terem os medicamentos em mãos.

“A ideia é permitir que pacientes recebam as primeiras orientações, garantindo a segurança das informações e o sigilo médico”, revela a Dall’Stella.

“Além disso, os correios estão funcionando e as operações de importação não estão paradas. Outro ponto que auxilia os pacientes de Cannabis medicinal a continuarem seus tratamentos. O único problema é que eles, geralmente, importam (os remédios), e estão acontecendo atrasos para chegar”, completa.

A aprovação da telemedicina vale para todas as atividades da área de saúde, de acordo com o Conselho Federal de Medicina.

Além de médicos de diferentes especialidades, outros profissionais como nutricionistas e psicólogos também podem fazer atendimento a distância. E vale tanto para o SUS quanto para a rede de saúde privada.

Aos 32 anos, Francislaine Assis não suportou as dores no corpo. As pernas mal respondiam e a tradutora de Libras, incapacitada até de caminhar, teve de abandonar o trabalho. Até porque, mesmo se recorresse à ajuda de uma cadeira de rodas, seria impossível desenvolver suas funções na escola: a dor era tanta que afetava também sua cognição – não conseguia sequer raciocinar e manter um diálogo por muito tempo.

Naquele ano, em 2011, após quatro meses intensos de sofrimento, Fran recebeu o diagnóstico de Agorafobia. Mas não era bem esse o problema. Somente em 2015 o médico descobriria a causa das dores: a fibromialgia – uma síndrome ainda sem cura que causa dores em todo o corpo, afeta a memória e o sono. 

A partir de então, passou a tomar diariamente todos os medicamentos receitados pelos médicos, na esperança de conseguir melhora efetiva.

“Eram 13 comprimidos por dia, eu ficava dopada”, conta.

Tanto remédio lhe rendia alucinações. Certa vez, a filha chegou na cozinha e pegou a mãe em frente ao fogão, folheando um livro imaginário. Em outra situação, um carro quase a atropelou enquanto atravessava a rua desatenta.

E o pior: as dores permaneciam fortes e constantes, a insônia batia forte, as dificuldades cognitivas pioravam e os sinais da depressão apareciam com frequência.

Só teria alívio em 2018, após vencer os próprios preconceitos e aceitar o tratamento à base de Cannabis medicinal.

“Eu participo de grupos de discussão sobre fibromialgia desde 2011, mas sempre fui muito careta. Cansei de ouvir as pessoas falando ‘fumei maconha e tive um alívio’. Não dava bola, achava o pessoal muito louco”, lembra Fran.

Abriu mão do pré-julgamento após ver a médica americana Ginevra Liptan, diretora do “The Frida Center for Fibromyalgia”, um centro especializado no tratamento da doença, falar sobre a eficácia da Cannabis para pacientes com fibromialgia.

Pegou o caminho do Rio de Janeiro até São Paulo, onde havia marcado uma consulta com a neuro oncologista e médica funcional Paula Dall’Stella. Pouco tempo depois, após receber a autorização da Anvisa, importou os primeiros frascos de óleo de CBD.

A dor, contudo, não passou.

Mas o sono veio com tudo. E isso era importante, afinal, Fran passava dias sem dormir. “Era assustador, chegava a passar três, quatro dias sem dormir. E isso me dava dores de cabeça fortíssimas, não conseguia nem ouvir a voz das pessoas”, diz.

Dormiu até demais – a sonolência pode ser um dos efeitos colaterais de alguns óleos no começo do tratamento. Trocou o importado por outro rico em THC, fabricado por uma associação de pacientes de Cannabis medicinal.

“Fiquei surpresa. A primeira vez que usei eu estava com uma dor muito forte. Vinte minutos depois de usar o óleo, minha dor diminuiu uns 60%”, explica.

Há uma razão: o THC funciona melhor como analgésico do que outros canabinoides, como o CBD.

Aos 43 anos, Fran descartou todos os outros medicamentos. Além do óleo, usa pomadas produzidas com plantas de predominância de THC, faz inalação da erva e uso de supositórios, quando a dor bate mais forte que o normal.

Ainda que os remédios tenham surtido efeitos muito melhores do que os convencionais, Fran ainda precisa recorrer à cadeira de rodas – de maneira geral qualquer esforço costuma causar ainda mais dores.

Não só pela fibromialgia, a vida ainda lhe trouxe uma série de outras complicações. Ao longo dos anos, teve artrite após pegar chikungunya e recebeu os diagnósticos de uma série de outras doenças, como Síndrome do Túnel do Carpo, endometriose, entre outras. 

A Cannabis trouxe outros efeitos positivos. Fran voltou a ter vontade de comer.

“É um benefício, porque tenho anorexia patológica. É difícil comer. Às vezes fico com enjoo o dia todo, mas quando uso o óleo consigo me alimentar”, relata a paciente.

A depressão também ficou para trás.

“Eu tomava Rivotril, mas nunca gostei. Hoje fico feliz quando uso o óleo. É uma alegria que há muito tempo eu não sentia, um prazer de viver. Cada vez que dou uma gargalhada parece que parte da dor também vai embora”, comemora.

O problema é fechar as contas no fim do mês. Se antes gastava pouco mais de R$ 300 com o coquetel de remédios, hoje Fran investe quase R$ 1,2 mil para conseguir os remédios. Se importasse, em vez de receber o óleo como sócia da associação, os gastos seriam ainda maiores.

Não à toa, virou ativista e luta pelo acesso mais democrático aos medicamentos.

“Vejo a dificuldade das pessoas. Pacientes com dor crônica muitas vezes estão desempregados ou afastados do emprego e não tem acesso ao óleo. É injusto, já que os remédios à base de cannabis fazem tanta diferença no alívio da dor”, finaliza.