Pesquisas mostram que a ação dos canabinoides pode controlar os sintomas destas destas cinco enfermidades: Alzheimer, autismo, epilepsia, fibromialgia e Parkinson. Saiba mais

A popularidade da maconha medicinal não é novidade. Desde de 2012, quando existiu o popular caso de Charlotte Figi, garotinha americana com 5 anos de idade, que teve suas crises convulsivas curadas com um óleo rico em CBD, a Cannabis para uso terapêutico deu um importante salto na área da saúde e em outros campos científicos. Hoje a maconha é usada também para o tratamento de outras doenças, com eficiência comprovada. Vamos falar delas?

Alzheimer

O Mal de Alzheimer é definido como uma doença neurodegenerativa com perda progressiva de memória e sintomas cognitivo-comportamentais. Na prática, a pessoa sofre perda de memória, agitação psicológica e motora, depressão, transtornos afetivos com isolamento social, falha no reconhecimento facial e até aumento de agressividade.

Pesquisas indicam que as propriedades do canabidiol tem tido eficiência em casos de Alzheimer. Em laboratório, a substância apresentou capacidade de neurogênese, ou seja, de formar novos neurônios no hipocampo (onde acredita-se que são armazenadas as memórias), no cérebro de ratos. E isso é muito positivo para o tratamento, pois tem potencial de parar a perda progressiva da memória e da cognição.

Uma revisão de estudos publicado em 2019 na Revista Brasileira de Neurologia também demonstrou que o uso de THC e CBD pode proporcionar aumento na diferenciação celular, na expressão de proteínas axonais e sinápticas, além de apresentar efeito neuro restaurador. Isso resulta em maior atividade cerebral no hipocampo, o que facilita com que as memórias não se degenerem na velocidade assustadora da doença. 

Autismo

Nos últimos anos, cientistas têm descoberto similaridades entre o autismo e a epilepsia. Na primeira, o sistema de auto-regulação se desfaz e os neurônios excitatórios se empolgam, gerando uma reação em cadeia que resulta em um fluxo caótico de atividade que pode se manifestar de diversas formas, como no movimento descontrolado dos músculos.

Cientistas acreditam que algo similar possa estar acontecendo na cabeça das pessoas diagnosticadas com autismo. De acordo com a Teoria do Mundo Intenso, do pesquisador Henry Markram, o excesso de ativação neuronal na mente dos autistas gera um ganho extremo de intensidade na percepção dos estímulos sensoriais.

E o sistema endocanabinoide trabalha exatamente nessa regulação da atividade neuronal. Em pacientes com epilepsia, quando a atividade neuronal excessiva ocorre, os endocanabinoides são produzidos em resposta, o que faz a atividade excessiva dos neurônios se tranquilizem, cessando o ataque.

Diante desses fatos e de como o uso de CBD no tratamento de pessoas com epilepsia tem sido um sucesso, o teste com os autistas é uma consequência lógica. Alterações na expressão de receptores canabinoides periféricos foram verificados em pacientes autistas, sugerindo possíveis deficiências na produção e regulação de canabinoides produzidos pelo corpo. Esta hipótese foi confirmada recentemente para a anandamida, um importante endocanabinoide, que é reduzido em pacientes com TEA.

Em um estudo brasileiro publicado na revista científica Fronties in Neuroscience, todos os pacientes que passaram a receber o tratamento com o extrato de CBD tiveram algum tipo de benefício observado pelo uso da Cannabis. Quatorze dos quinze pacientes tiveram 30% de melhora em pelo menos um dos sintomas, sendo que sete deles apresentaram essa melhora em quatro ou mais dos sintomas analisados

Epilepsia

Pesquisas com pacientes epilépticos que tenham feito tratamentos com CBD estão tendo ótimos resultados. Um deles, realizado por pesquisadores da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, envolveu 72 crianças e 60 adultos que não respondiam aos remédios tradicionais.

Eles passaram a tomar Epidiolex, um remédio à base de CBD liberado para controle de convulsões, por pelo menos 12 semanas, com doses progressivamente maiores ao longo das semanas. O resultado foi que a maioria reduziu drasticamente a severidade e a quantidade de convulsões.

Outro estudo mostrou crianças que registravam 70 convulsões a cada 14 dias – cerca de cinco episódios diários. Doze semanas após o início do tratamento com CBD, as crises caíram timidamente: passaram para 69. Porém, após 6 meses, esse número caiu para 43. E, dentro de um ano, as convulsões passaram para apenas 27 vezes a cada duas semanas.

Em 2015, foram avaliados 17 estudos com uso de CBD nesses pacientes e, mais uma vez, as convulsões diminuíram. Em 2018, outros pesquisadores avaliaram seis pesquisas de CBD em pacientes epilépticos. A conclusão: “recentes estudos que incluíram mais de 100 participantes mostraram que o uso de CBD resultou em uma significante redução na frequência de convulsões. 

Fibromialgia

“A experiência de Cannabis para dor talvez seja a melhor experiência médica em termos de eficácia, pelos relatos dos pacientes. É disparada a indicação mais frequente, seja na oncologia ou na esclerose múltipla, para tratar a dor gerada pela doença”, explica o ortopedista Ricardo Ferreira, especialista em coluna e dor.

Ainda que os pacientes relatem melhora com os medicamentos convencionais (analgésicos, opioides e antidepressivos), é a maconha que tem apresentado os melhores resultados em casos de fibromialgia.

Uma pesquisa israelense realizou estudos clínicos para comprovar essa eficácia. Para 50% dos envolvidos, houve um ganho na qualidade de vida e redução nas dores da fibromialgia, e as pacientes abandonaram os medicamentos convencionais. Outros 46% reduziram pela metade a dose desses remédios químicos.

Frases como “voltei a ser a mesma pessoa de antes”, “queria ter recebido esse tratamento quando fui diagnosticado”, e “esse tratamento é milagrosos” impressionaram os pesquisadores. 

Parkinson

A dopamina está relacionada àquela sensação boa de quando conseguimos algo que queremos. Acontece que, em algumas pessoas, principalmente com o passar da idade, esses neurônios começam a morrer. Não se sabe muito bem o que desencadeia essa reação, mas ela atinge cerca de 3,3% dos brasileiros com mais de 65 anos. Porém, de cada dez pacientes, um tem menos de 50 anos. Essa condição é conhecida como Parkinson.

Com limitada produção de dopamina, o cérebro não consegue se comunicar direito com os músculos, e assim começam os tremores, rigidez e lentidão dos movimentos. Por estarem relacionadas também ao chamado sistema de recompensa, causa depressão, irritabilidade e dificuldade para dormir.

Pesquisadores descobriram receptores canabinoides e compostos endocanabinoides em grandes concentrações em áreas cerebrais envolvidas no processamento e execução de movimentos corporais, como, por exemplo, nos gânglios da base, onde se encontra a substância negra. 

Pesquisas em animais e humanos demonstraram que o sistema endocanabinoide passa por alterações neuroquímicas, conforme a Doença de Parkinson evolui. Estudos pré-clínicos também sugerem que, dependendo da fase da doença, os canabinoides podem modular as complexas alterações neuroquímicas causada pela redução dos níveis de dopamina.

Essas mesmas pesquisas sugerem que os canabinoides podem ajudar a combater o Parkinson por suas propriedades antioxidantes, anti-excitotóxicas – que leva à morte dos neurônios e anti-inflamatórias. Os resultados sugerem que tanto a maconha in natura quanto os canabinoides isolados (sintéticos e naturais) são bem tolerados e possuem propriedades terapêuticas para o tratamento de sintomas motores (bradicinesia, rigidez muscular, tremores) e não-motores (sono, humor, ansiedade, psicose, qualidade de vida).

Jantar, convidados especiais e Cannabis Medicinal. No dia 13 de fevereiro, o Restaurante KAA em São Paulo sediou o primeiro CanTera Meeting conexão Cannabis Medicinal, com o tema epilepsia.

Organizado pela CanTera uma empresa do grupo OnixCann, o CanTera Meeting é um evento exclusivo para médicos convidados. O objetivo do encontro é reunir médicos prescritores ou com interesse em prescrição, integrados com o método canabinoide, para discutir as últimas novidades e atualizações científicas do ecossistema da Cannabis Medicinal no Brasil e mundo.

Cada evento do CanTera Meeting terá uma doença como tema principal e trará um Palestrante, especialista do segmento, para apresentar as últimas novidades clínicas e científicas.

Neste CanTera Meeting contamos com a participação especial do Palestrante Dr. Pedro Pierro, médico com Residência em Neurocirurgia Funcional, dedicou sua carreira ao segmento da Dor, e no evento sua abordagem foi  centrada no uso de  Cannabis Medicinal para tratamento de doenças, até então, sem sucesso com o uso de medicamentos tradicionais.

Dr. Pedro Pierro é Membro da Sociedade de Neurocirurgia, Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBEDe Inter-Americana de Cirurgia de Coluna Minimamente Invasiva, e trouxe diversos temas e estudos importantes para os participantes do evento.

Entre todos os assuntos relevantes apresentados, o ápice do encontro ficou registrado na apresentação dos estudos de caso, resultados clínicos e posologia dos produtos à base de Cannabis Medicinal para tratamento da epilepsia.

A primeira edição do CanTera Meeting de 2020, com foco em epilepsia, contou com a presença exclusiva de 7 médicos convidados pela CanTera, além da presença da equipe e dos médicos do Conselho da CanTera, o CMO Dr. Cid Gusmão, um dos mais reconhecidos Oncologistas do Brasil, fundador do CCC DR (Centro de Combate ao Câncer). Foi o fundador do IBPC (Instituto Brasileiro de Pesquisa em Câncer) em parceria com a Oncopartners, Membro acadêmico da Academia de Medicina de São Paulo, da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), da American Society of Clinical Oncology (ASCO), da European Society of Medical Oncology (ESMO), da American Association for the Advancement of Science (AAAS), da International Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research (ISPOR) e da Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica (SBPPC). 

E do  Dr. Cristiano Fernandes, graduado pela Universidade Federal de Uberlândia, com mestrado em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia, Hematologia e Hemoterapia pela Faculdade de Medicina do ABC, membro da Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH), do Comitê de Ética Médica do Hospital Nove de Julho e hematologists no CCC.

O encontro também teve a participação do Vice-presidente  da OnixCann e CanTera, Jaime Ozi , que deixou registrada sua  satisfação na realização e sucesso primeiro CanTera Meeting.

“Encontros como o CanTera Meeting são fundamentais para a evolução e crescimento do segmento da Cannabis Medicinal no Brasil. A OnixCann e a CanTera acreditam no valor da  disseminação da informação científica qualificada para classe médica.”

Além dos eventos e encontros com foco em educação, a CanTera também oferece atendimento exclusivo e especializado para auxiliar os médicos durante todo o processo de prescrição e importação dos produtos à base de Cannabis Medicinal, desde esclarecimentos técnicos até a entrega do produto para o paciente.

O CanTera Meeting irá ocorrer mensalmente, em breve divulgaremos em nossos canais a agenda completa dos eventos. 

Confira abaixo as fotos do primeiro encontro.

Para ter acesso aos Protocolos Clínicos, referências bibliográficas, indicações terapêuticas, informações legais e as últimas novidades para tratamento com produtos à base de Cannabis Medicinal, Clique aqui e cadastre-se na plataforma CanTera

Abaixo os principais canais de Atendimento da CanTera:

Telefone: +55 11 2615-2600 / Whatsapp: +55 11 97203-0101 / E-mail: contato@canteramed.com