Ainda que existam riscos de acabar preso ou processado, em casos como fins medicinais as chances podem ser mais remotas. Uma decisão do STF ampliou a visão de que a importação de sementes não se enquadra como crime. Ainda assim os riscos existem.

 Marcus Bruno 

Patrícia Scheffer Schlumberger comprou 26 sementes de Cannabis, diretamente da Holanda. A encomenda acabou na Justiça. O Ministério Público entrou com uma denúncia por tráfico de drogas, uma vez que a mulher importou “através de remessa postal internacional, sem autorização legal ou regulamentar, matéria-prima destinada à preparação de drogas”.

Daí em diante, a denúncia andou pelos tribunais. O Na 7ª Vara Criminal de São Paulo, o juiz rejeitou a acusação. Ele classificou como “atípica a importação de sementes”.

“Isso quer dizer que a lei não prevê isso como crime, importar para consumo pessoal”, explica o advogado Rodrigo
Mesquita. Como as sementes não possuem THC, a substância psicoativa da planta, não se enquadra como droga – logo, não faria sentido processá-la por tráfico.

De lá, na segunda instância, o caso passou para o Tribunal Regional Federal da 3 ª Região (TRF-3), que o reavaliou – e, dessa vez, a denúncia foi aceita. Patricia recorreu ao Supremo Tribunal de Justiça, que seguiu a decisão da turma do TRF-3, e manteve a ação contra ela.

Com mais um pedido de análise, os advogados entraram com uma ação no Supremo Tribunal Federal. Dessa vez, o caso ganhou repercussão nacional, em maio de 2019, ao ter a acusação rejeitada pelos ministros do STF. A conclusão era a mesma daquela tomada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo: “a mera importação e/ou a simples posse da semente de Cannabis sativa não se qualifica como fatores revestidos de tipicidade penal, essencialmente porque, não contendo as sementes o princípio ativo do tetrahidrocanabinol (THC), não se revelam aptas a produzir dependência física e/ou psíquica, o que as torna inócuas, não constituindo, por isso mesmo, elementos caracterizadores de matéria-prima para a produção de drogas.”

E agora? É possível afirmar que há uma brecha para importação de sementes? Não exatamente.

“Decisões como essa servem apenas como orientação para as autoridades, não são vinculantes. Para chegar a isso, deveria passar por um processo de consolidação da tese de súmulas vinculantes”, explica Mesquisa.

“Ou seja, se algum policial entender que aquilo é crime, ele pode abrir inquérito e o Ministério Público oferecer uma denúncia, como tráfico internacional ou contrabando”, diz o advogado.

Ainda que existam riscos de acabar preso ou processado, em casos como esse, as chances parecem mais remotas. A decisão do STF ampliou a visão de que a importação de sementes não se enquadra como crime. Ainda assim os riscos existem.

“Dentro deste quadro, não recomendo a ninguém que importe. Se o fizer que faça ciente de que há um risco”, defende Mesquisa.

“Em situações como tratamento médico fica muito mais fácil de se explicar, mas ainda assim é arriscado”, conclui.

A corrida da família da pequena Nalu em busca por um tratamento digno para a microcefalia, paralisia cerebral e epilepsia, condições de saúde que a acompanham desde o nascimento.

Aline Vessoni 

Fazia menos de uma hora que Nadhusca Sanches tinha dado à luz sua primogênita Nalu, quando a equipe médica notou que a pequena estava convulsionando. A suspeita é de que as convulsões possam ter sido causados por conta de uma hipoglicemia neonatal ou de um AVC intrauterino. Essas foram algumas hipóteses levantadas pelos médicos. O fato é que Nalu teve de ser encaminhada para a UTI, onde foi reanimada, entubada e passou seus primeiros 25 dias de vida.

“Quando a médica me deu a notícia, ela não me deu nenhuma esperança da minha filha sair viva do hospital. Nenhuma expectativa sobre como ela poderia se desenvolver”, conta Nadhusca.

Após cinco dias, a mãe foi liberada da internação. Nadhusca chegava para ver a filha logo de manhã. Ordenhava o leite que era dado a ela por meio de uma sonda. E passava o dia, tarde e noite na UTI, até que receberam alta. 

O medo de voltar para casa com uma criança atípica era grande. “E se ela tivesse uma crise e a gente não percebesse?”, lembra a mãe. A pediatra de plantão respondeu sem muita empatia: “as mães sabem cuidar de suas crias”. Nadhusca e o marido, Felipe Gritti voltaram para casa com a filha, mais a receita de dois anticonvulsivos.

Em casa

Mesmo com os medicamentos, por volta dos três meses, Nalu voltou a preocupar os pais. “Os olhinhos tremem, as bochechas sobem, mas as crises em recém-nascidos são tão sutis que ficávamos em dúvida”, conta Felipe.

Um retorno ao neurologista, no entanto, confirmou que as crises convulsivas haviam voltado. Nessa época, elas ocorriam em uma média de sete vezes ao dia. O médico, então, sugeriu a troca de medicamentos. O procedimento leva cerca de dois meses para acontecer, a fim de diminuir a ingestão de uma droga para aumentar a dosagem de outra.

“As crises pioraram, ela chorava muito e a gente não sabia se era de dor ou em razão das crises convulsivas”, conta a mãe que continua, “é inevitável não ler a bula, e o efeito colateral comuns a todas essas medicações é que podem levar a óbito. A gente fica com o coração na mão”.

Nessa dança para encontrar a medicação certa, aos 8 meses, Nalu tomava cinco anticonvulsivos. “Ela já não tinha vontade de mamar, não chorava, fazia xixi com uma frequência muito menor, e chegou a dormir mais de 16 horas seguidas. Ela estava dopada”, conta. “Mas, mesmo como esse tanto de remédio, ela teve uma crise convulsiva. E nós ficamos sem chão”. A partir daí, o casal resolveu procurar outros tratamentos.

Para o neurologista que os acompanhavam desde a maternidade, havia ainda uma combinação extensa de drogas alopáticas que podiam testar na pequena. Para os pais, era uma corrida contra o tempo, já que a neuroplasticidade – o fenômeno do cérebro de se adaptar a novas situações – é maior na infância.

Uma luz no fim do túnel

“Começamos a estudar a Cannabis, a pesquisar médicos e tratamentos. Encontramos relatos de casos que tiveram sucesso e outros não. Mas para os médicos da Nalu esta não era uma opção”, explica Felipe. Depois de muito pesquisar, eles encontraram a dra. Paula Dall’Stella, fizeram diversas ações para levantar fundos e custear o tratamento.

“A dra. Paula foi um anjo que caiu na nossa vida. Apesar de não atender crianças, ela teve empatia com a história da Nalu. A partir daí foi só vitória”, comemora o pai. Em paralelo à terapia cannábica, Nalu passou a fazer uma dieta cetogênica, que, entre outras coisas, elimina o açúcar da alimentação e inclui gorduras boas.

Dessa consulta, eles foram orientados a fazer uma solicitação judicial para que o estado de São Paulo custeasse a aquisição do óleo de canabidiol com preço equivalente a cerca de mil reais por mês. Eles ganharam a ação – bem no dia em que Nalu completou um ano de vida e de muitas batalhas vencidas.

Aos poucos, eles foram desmamando os medicamentos alopáticos e, hoje, o tratamento se baseia em 15 gotas de CBD, três vezes ao dia.

Vida nova

Um ano depois, os resultados são surpreendentes. A avaliação motora feita com a fisioterapeuta que a acompanha desde a saída da maternidade foi da pontuação seis para 20, em um ano.

Para falar sobre o antes e depois do tratamento com a Cannabis, Felipe se refere à filha como uma “plantinha”. “Ela era um bebê sem vida. Não sorria, não suava, era sempre geladinha, não sentia cócegas, nem fome ou sede. A vida mudou completamente. Hoje, ela sente cócegas, dá gargalhadas, balbucia com muita frequência, está começando a fazer o movimento de marcha, brinca […] é uma criança que vem ganhando vida a cada dia”.

Conforme Nadhusca fez questão de ressaltar, a Cannabis não faz milagres. Mas funciona muito bem em conjunto com alimentação saudável e outras terapias, como fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, entre outros.

“Foi difícil conseguir todas essas informações, encontrar a equipe certa de profissionais. Mas eu agradeço todo dia por ter escolhido pesquisar mais. Com a nossa história, nós queremos mostrar que existem outras opções de tratamento que proporcionam mais qualidade de vida. Nós queremos mostrar que tem luz no fim do túnel”.

Nalu: quatro meses sem crises e contando…

Mariana, mãe do Pedro Henrique, iniciou uma vaquinha para importar o derivado da Cannabis que trata a condição especial do filho; porém a solidariedade foi maior do que ela esperava

Carol Castro 

Crédito: Arquivo pessoal  Mari e o filho Pedro Henrique.

A vida com Pedro Henrique nunca foi barata. Diagnosticado com paralisia cerebral e síndrome de West, uma forma de epilepsia, o filho de Mariana Lima e Anderson Bifon demandou cuidados especiais logo cedo.

Antes de completar dois anos, o primeiro susto financeiro: precisariam gastar até R$ 2,5 mil para comprar uma órtese para o pé.

“A pisada dele não é normal, o pézinho e o tornozelo ficam um pouco para fora. A órtese imobiliza o pé e impede uma deformidade”, conta Mariana.

Naquela época, fizeram uma vaquinha online. Arrecadaram o valor necessário e a vida seguiu. Não de forma fácil. Os três tipos de medicamentos que ele tomava não ajudavam a cessar as crises convulsivas, o Vigabatrina, Hidantal e Topiramato.

Até que apareceu uma saída: o canabidiol. Só que, mais uma vez, a grana seria um impasse. Por mês, a família teria de desembolsar R$ 1 mil para cada ampola de 10 ml.

Um pedido de ajuda

A contragosto do marido, Mariana começou uma nova vaquinha. Era a única saída.

Desempregada, a pedagoga não teria como bancar o tratamento sem a ajuda dos amigos.

“Ele foi contra porque da outra vez algumas pessoas fizeram julgamentos. Avaliaram até nosso carro. A cadeira de rodas do meu filho não cabe no porta-malas de um carro pequeno, por isso temos um carro maior”, conta Mariana.

Para evitar dor de cabeça, Mariana divulgou a vaquinha só para amigos e familiares. Pedia R$ 3,5 mil reais para iniciar o tratamento do filho com CBD. Em dois dias, bateram a meta. Só que os amigos não se contentaram.

Passaram adiante a campanha, com divulgação em redes sociais. E aí o resultado surpreendeu a família. Em quatro dias, haviam arrecadado mais de R$ 5 mil. A campanha acabou com o dobro do que pretendiam: quase R$ 7 mil.

As boas notícias não pararam por aí. Mariana soube de um medicamento da empresa Cantera que custava quase metade do preço.

“Eu aceitei na hora. Passada uma semana, me ligaram para informar que o remédio havia sido aprovado pela Anvisa”.

Pedro Henrique começou a tomar duas gotas todos os dias de manhã. Depois a dose subiu para quatro gotas. E as melhores apareceram bem rápido.

“Nas primeiras semanas, a gente já conseguiu ver uma grande melhora dele, os escapes do Pedro foram controlados. As crises cessaram bastante. Em fevereiro, ele conseguiu ficar sentado por 15 segundos sozinho. Eu até filmei e postei no meu Instagram. Viralizou. Hoje ele já está sustentado mais o pescoço”, comemora a mãe.

E os progressos estão garantidos pelos próximos meses. A família comprou seis ampolas de 10 mL
com o dinheiro da vaquinha. Em média, o garoto consome um vidro de CBD a cada 40 a 45 dias.

Estudos apontam que THC e CBD têm funcionado em casos de enxaqueca. E o melhor: com menos efeitos colaterais que os medicamentos alopáticos

 Aline Vessoni 

A humanidade recorre há milênios recorre ao uso da Cannabis a fim de minimizar dores – de uma maneira geral. E sabe-se, hoje em dia, através de evidências científicas, da eficácia de canabinoides no tratamento da dor, inclusive no que diz respeito a cefaleia e enxaqueca.

Pesquisas sobre a Cannabis sativa comprovam sua propriedades farmacológicas de ações sedativas, antipsicóticas, antioxidantes, ansiolíticas, anticonvulsionantes, anti-inflamatórias e neuroprotetoras. Justamente por isso, médicos testam também o uso de canabinoides no tratamento de doenças neurológicas, entre elas enxaquecas e cefaleia em salvas.

De acordo com um estudo apresentado em congresso da Academia Europeia de Neurologia, os canabinoides seriam mais eficazes em reduzir a frequência das dores de cabeça do que os medicamentos alopáticos.

Na primeira fase de testes, os 127 participantes da pesquisa foram medicados com um composto de THC e canabidiol (CBD). Entre eles, alguns sofriam de enxaqueca crônica e outros de cefaleia em salvas. Os pacientes receberam doses variadas da droga. Houve uma redução de 55% da dor em quem recebeu 200 mg da droga diariamente durante três meses.

Na segunda etapa, os pacientes receberam a droga de THC-CBD ou 25 mg de amitriptilina – antidepressivo comumente utilizado para esses tratamentos.

No que diz respeito à redução na frequência das crises, ambas as drogas tiveram resultados parecidos. Foram 40,4% contra 40,1% do antidepressivo. Em compensação, os canabinoides se mostraram mais eficazes no grau da dor, diminuindo-a em 43,5%.

Em outra pesquisa americana, esses pacientes também usaram Cannabis para tratar a doença. E 40% deles relataram uma diminuição na frequência. As crises caíram de 10 episódios para 4 por mês.

Menos efeitos colaterais

Segundo o estudo estudo europeu, os canabinoides ainda tiveram melhor desempenho que os medicamentos alopáticos. Esse grupo apresentou menos colite, dores musculares e estomacais do que os medicadas com antidepressivos. Ao usarem a Cannabis, no entanto, os participantes relataram mais sonolência.

Pesquisas para o futuro

Segundo o artigo “Canábis Medicinal na neurologia clínica: uma nuvem de incertezas”, os benefícios do uso da Cannabis em enxaquecas ainda estão longe de serem estabelecidos. De acordo com os autores, o mais provável é que algum dos mecanismos que desencadeiam a enxaqueca sejam inibidos com os canabinoides.

Quando existe um transtorno alimentar, seja para mais (compulsão) ou para menos (anorexia), ocorre uma biorregulação do sistema endocanabinoide para uma otimização do balanço energético”, explica o psiquiatra Wilson Lessa, especialista em transtornos alimentares.

 Juliana Bernardino 

Comer é muito prazeroso. Nosso cérebro evoluiu para produzir sentimentos de euforia quando comemos porque as refeições aumentam a probabilidade de sobrevivermos e transmitirmos nossos genes – o que, por sua vez, induz a próxima geração a gostar de comer também. No entanto, para algumas pessoas, comer pode levar a sentimentos de ansiedade e medo.

A comida, ou mesmo a expectativa de se alimentar, faz com que alguém com anorexia nervosa, por exemplo, se sinta terrivelmente desconfortável. A única coisa que pode reduzir essa ansiedade é evitar completamente a comida. Surpreendentemente, apesar de seus intensos esforços mentais para evitar os alimentos, eles costumam estar preocupados com pensamentos a respeito ou com a intenção de prepará-lo para os outros. O alimento nunca perde verdadeiramente sua influência sobre o cérebro!

Para aqueles que sofrem com transtornos alimentares, existem algumas evidências de que pode haver um desequilíbrio na química do cérebro relacionada ao sistema interno de neurotransmissores da maconha. É o já  conhecido sistema endocanabinoide, e sua interrupção pode ser responsável pelo desenvolvimento de diversas disfunções.

De alguma forma, a funcionalidade do sistema endocanabinoide é afetada ou prejudicada negativamente em pessoas com anorexia ou bulimia.

“O sistema endocanabinoide é o grande maestro de uma orquestra de vários sistemas fisiológicos interdependentes. Como disse certa vez o importante pesquisador italiano Vincenzo di Marzo, o sistema endocanabinoide é essencial para a vida e afeta como nós relaxamos, comemos, dormimos e nos protegemos. Quando existe um transtorno alimentar, quer seja para mais (compulsão) ou para menos (anorexia), ocorre uma biorregulação do sistema endocanabinoide para uma otimização do balanço energético”, explica o psiquiatra Wilson Lessa, especialista em transtornos alimentares.

Não é novidade que, de um modo geral, a utilização da Cannabis aumenta o apetite. O THC e seu estímulo do receptor CB1 são os responsáveis pela conhecida “larica”. Por outro lado, sabemos que o bloqueio desse mesmo receptor CB1 inibe o apetite.

O famoso medicamento Rimonabanto deixou isso bem evidente há pouco mais de uma década, sendo até uma excelente promessa para um anorexígeno, não fosse seus graves efeitos colaterais no que se refere à depressão. Por outro lado, O THCV é um fitocanabinoide com atividade anorexígena eficiente e segura. O próprio canabidiol, em sua ação no sistema serotoninérgico, também tem uma ação de diminuir a fome.

Existem estudos que provam que a Cannabis pode estimular o apetite. Isto é especialmente verdadeiro para pessoas que sofrem de doenças como câncer ou HIV e não sentem fome devido à medicação forte. Infelizmente, a pesquisa sobre transtornos alimentares é muito limitada, e os resultados são por vezes contraditórios.

Enquanto algumas pesquisas têm o efeito apetitivo de Cannabis a confirmar, o resultado é menos positivo em outras. Em alguns casos, o apetite dos pacientes é realmente estimulado, mas um aumento da ingestão de alimentos ou ganho de peso nem sempre pode ser observado.

“Um estudo interessante de 2013, intitulado “Cannabis and Delta9THC for weight loss?” de Bernard Le Foll, chegou à conclusão de que a prevalência de obesidade é paradoxalmente menor em usuários de Cannabis, quando comparado a não usuários e não relacionada ao uso do tabaco e outras variáveis como sexo e idade.” descreve o Dr. Wilson Lessa

Com essa característica de dualidade da planta Cannabis, um tanto quanto yin-yang, e percebendo que determinados fitocanabinoides são orexígenos (estimulam apetite) e outros anorexígenos (diminuem apetite) podemos pensar no tratamento de uma gama de transtornos alimentares. Lembrando que o canabidiol, por sua ação anti-inflamatória nos vasos sanguíneos, também diminui os efeitos ateroscleróticos induzidos pelo excesso de glicose. Ou seja, pode ser útil na causa e nas consequências dos distúrbios alimentares em muitos casos.

Já a nutricionista Andrea Menezes deixa claro que o uso da Cannabis sem uma alimentação adequada e um acompanhamento psicológico não faz milagre. Ela já trabalhou com uma paciente anoréxica e o uso de Cannabis foi uma parte importante do tratamento para estimular o apetite e diminuir a ansiedade, mas foi um tratamento em conjunto com muitos outros elementos.

Andrea também falou sobre como o sistema endocanabinoide do cérebro normalmente controla quanto prazer obtemos de experiências sensoriais; isso nos motiva a repetir a experiência repetidamente. Um interesse obsessivo em alimentos associado a uma resposta emocional inadequada é consistente com uma disfunção no sistema endocanabinoide do cérebro. Essas novas informações podem ajudar a identificar novos alvos para medicamentos que podem ajudar a reverter os sintomas de transtornos alimentares.

O médico Gilberto Kocerginsky, que atua com Cannabis medicinal desde 2014, tem tido um bom resultado no uso de CBD (com muito pouco THC) em pacientes obesos e no controle de suas ansiedades e compulsão alimentar.

A Cannabis medicinal e o sistema endocanabinoide atuam como modulador do sistema nervoso central, equilibrando a liberação de neurotransmissores na sinapse e isso faz com que os componentes de compulsão possam se beneficiar muito desse tratamento. Lembrando que os 3 principais neurotransmissores relacionados à compulsão seriam: serotonina, dopamina e os receptores opiáceos. Quando existe um desequilíbrio desses três sistemas, surge um transtorno de compulsão. Pode ser tanto transtorno alimentar como de jogos, alcoolismo e dependência química.

O sistema endocanabinoide ajuda na remodelação desses neurotransmissores. E com isso é possível restringir a compulsão alimentar ou atitudes prejudiciais como, por exemplo, em um paciente bulímico.

A Cannabis medicinal pode e deve ser usada como acessório e até mesmo como um tratamento inicial para transtornos alimentares. Tudo é um mecanismo de equilíbrio dos nossos neurotransmissores, e a Cannabis atua como um grande modulador desse sistema, equilibrando serotonina, dopamina, como o sistema opiáceo e endógeno.

Com a liberação de determinados hormônios, como grelina e leptina, facilita o processo de apoio a esses pacientes. Lembrando que cada caso merece um raciocínio clínico exclusivo, pois cada paciente e transtorno irá pedir um tipo de Cannabis e uma dose específica para ter um resultado terapêutico ideal.

Pesquisadores avaliaram os benefícios do dronabinol, um sintético de Cannabis, em três pacientes diagnosticados com Transtorno Obsessivo Compulsivo

Felipe Germano 

Crédito: Wikicommons / Howard Hughes, aviador e engenheiro aeronático que ganhou as telas de Hollywood, tinha Transtorno Obsessivo Compulsivo

Em 2005, o filme que fez a rapa nos Oscar, com 5 estatuetas, foi O Aviador. De Scorsese, a obra conta a história real de Howard Hughes: um americano criado em meio à, olhe só, uma quarentena (a de cólera que assolou Houston em 1912). Hughes cresceu e se tornou engenheiro, diretor e, claro, o tal do aviador do título – mas uma das cenas mais chocantes não envolve aviões. Interpretado por Dicaprio, Hughes lava as mãos incessantemente até elas sangrarem.

Isso porque, além de bem sucedido, ele tinha Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Agora, um novo estudo mostra que talvez isso não tivesse acontecido, se o protagonista passasse por tratamentos mais modernos: a pesquisa sugere que um sintético de THC pode ajudar no tratamento de TOC.

Para chegar à esta conclusão, o estudo, feito pela Universidade de Columbia, reuniu estudos que tentavam entender tanto como funcionava o cérebro de pessoas com TOC, quanto o efeito da maconha no sistema nervoso de todos nós. Foram selecionados 150 estudos que falavam ora sobre uma coisa, ora sobre outra – mas que quando cruzados podiam nos levar a algumas conclusões interessantes.

Os pesquisadores, então, detectaram as principais formas pelo qual o TOC se manifesta. Em geral, pacientes com o transtorno sentem uma quantidade anormal de ansiedade, medo e criam comportamentos repetitivos. O próximo passo foi entender como a Cannabis age frente a essas situações.

Medo e Ansiedade

Os pesquisadores encontraram coerência na combinação medo e/ou ansiedade + Cannabis: em geral, as pesquisas mostravam que derivados de maconha tendiam a acalmar seus usuários.

“A relação entre canabinoides, ansiedade e medo têm sido bem explorada nas pesquisas clínicas”, dizem os responsáveis pelo estudo. “E os resultados têm apontado que o canabinol e o dronabinol (sintético de Cannabis) atenuam os estímulos de medo recebidos por nosso cérebro”, completam.

Comportamentos compulsivos

O TOC, no entanto, não é conhecido pelo medo de seus portadores. O que costuma lhe caracterizar são as ações repetitivas de quem tem o transtorno. Mas elas não aparecem só entre os diagnosticados com essa condição específica. Foi justamente em portadores de outros transtornos que os pesquisadores conseguiram encontrar um maior número de estudos para serem analisados.

“Pesquisas com pacientes diagnosticados com Tourette têm indicado que fumar maconha pode reduzir tic motores e também a urgência de praticar comportamentos compulsivos”, afirmam os pesquisadores. A informação é extremamente relevante. Quem tem Tourette não consegue controlar impulsos como emitir sons ou movimentar o corpo de forma brusca repentinamente. Para os responsáveis pelo estudo, esses movimentos são causados pela mesma parte do cérebro que obriga portadores de TOC a criarem rituais de repetição. Uma solução para um talvez ajude os dois.

A descoberta é definidora?

Em partes. Os próprios cientistas envolvidos no relatório confessam: há pouquíssimas pesquisas que relacionam diretamente o efeito da cannabis em portadores do Transtorno. “Até hoje, apenas três estudos reportaram os efeitos de canabinoides em sintomas do TOC”, afirma o texto. Apesar de ser uma amostra muito pequena, os resultados foram bons.

A primeira das pesquisas girou em torna de uma mulher de 38 anos diagnosticada com depressão e TOC. Durante 10 dias, cientistas acrescentaram dronabinol ao seu antidepressivo. Ao fim do estudo, ela havia caído de 20 para 10 pontos na Escala de Yale-Brown (principal método para avaliar pacientes obsessivos compulsivos). Na prática, isso significa que ela passou de “moderada” para “amena”.

O segundo teste envolveu um homem de 36 anos com esquizofrenia e TOC. Por 12 dias também recebeu doses de dronabinol, um THC sintético. Caiu de 25 para 15 pontos na mesma escala.

O terceiro estudo avaliou o caso de um homem de 24 anos que desenvolveu TOC após um derrame. Por duas semanas tomou dronabinol e ao final dos testes tinha passado de 39 para 10 pontos.

E agora?

Os pesquisadores acreditam que novos estudos devem ser feitos, para que qualquer conclusão possa ser realmente feita. Mas se mostraram confiantes de que produtos a base de cannabis podem ter efeitos positivos entre pacientes.

“Os medicamentos canabinoides têm o potencial de produzir novas farmacoterapias muito esperadas por aqueles que sofrem os efeitos debilitantes do Toc. Mas apenas uma exploração mais aprofundada deste tópico determinará se os canabinoides passam o teste mais importante: ajudar mais pacientes com Toc a alcançar seu bem-estar.”, concluem.

Por seis anos, Maria buscou e testou todas as maneiras de reduzir as dores causadas pela doença. O alívio só veio mesmo com o uso dos óleos de Cannabis medicinal, associado à fisioterapia, exercício físico e autoconhecimento

Aline Vessoni 

Maria dos Santos* tinha apenas 16 anos quando as dores começaram. Primeiro nas costas, depois vieram para as mãos. “Eu tocava violoncelo e achava que a dor era normal, de fazer esforço. Não pensava que pudesse ser algo patológico”, relata. O quadro se agravou na faculdade de Artes Cênicas que possui uma grade curricular em que o trabalho físico é bastante intenso. “Eu precisava parar no meio das aulas tamanha a fadiga”, conta.

Com o agravamento dos sintomas, a peregrinação em consultórios médicos era frustante: o protocolo de exames e raios-X não acusava nada, os ortopedistas não fechavam diagnósticos. Maria, aos poucos, foi deixando de acompanhar as aulas, depois já não conseguia fazer exercícios físicos – até mesmo andar estava difícil.

Ela foi perdendo a esperança ao não encontrar alívio nas incontáveis sessões de fisioterapia, massagens. Nem mesmo nos medicamentos faziam efeito. No meio disso tudo, a depressão somou-se ao quadro e ela resolveu trancar o curso e voltar a morar com os pais.

“Ano passado, larguei tudo e passei por vários especialistas. Até que, finalmente, um reumatologista diagnosticou a fibromialgia e artrite reumatóide. Mas o remédio para tirar a dor não adiantava. Passei por terapia fotodinâmica [uma combinação entre ultrassom e laser], ozonioterapia [aplicações de oxigênio e ozônio], acupuntura, sem sucesso. Nada parecia resolver, eu não via alternativas. Foi então que os pensamentos suicidas se intensificaram”, revela.

A melhor alternativa

“Foi bem difícil vê-la passar por isso. Só a via deitada ou sentada, chorando boa parte da noite. Nós fizemos de tudo, mas chegou a um ponto [de dor] que ela falava que preferiria morrer”, relembra sua mãe, Joana*.

Na busca por novos tratamentos, Joana encontrou na internet relatos positivos sobre o canabidiol para casos de dor. Entrou em contato com associações, e, como mora no interior de São Paulo, comprou o óleo antes mesmo de encontrar um médico prescritor.

“O óleo foi um ‘achado’ maravilhoso. Era nossa última alternativa, já tínhamos tentado de tudo. Eu falo que essa planta é sagrada, pena que é tão recriminada”. Mas ressalta que é preciso ter paciência: “demorou um mês para Maria sentir os efeitos”.

Atualmente, Maria se trata com um óleo 6% THC associado ao CBD e outro 100% CBD – o primeiro atuante sobretudo na dor e o segundo para a depressão. Voltou para a fisioterapia, para o pilates e também para o divã. “O óleo não é milagroso, mas associado a atividades físicas, e terapia, minhas dores diminuíram muito”, finaliza Maria que com a diminuição dos sintomas conseguiu retomar a graduação, está trabalhando e também encontrou um amor para chamar de seu. 

* nomes fictícios foram usados para evitar que a família sofresse retaliações, já que a entrevistada não possui autorização da Anvisa para importar a Cannabis medicinal e faz uso de óleo considerado clandestino

Pesquisas mostram que a ação dos canabinoides pode controlar os sintomas destas destas cinco enfermidades: Alzheimer, autismo, epilepsia, fibromialgia e Parkinson. Saiba mais

A popularidade da maconha medicinal não é novidade. Desde de 2012, quando existiu o popular caso de Charlotte Figi, garotinha americana com 5 anos de idade, que teve suas crises convulsivas curadas com um óleo rico em CBD, a Cannabis para uso terapêutico deu um importante salto na área da saúde e em outros campos científicos. Hoje a maconha é usada também para o tratamento de outras doenças, com eficiência comprovada. Vamos falar delas?

Alzheimer

O Mal de Alzheimer é definido como uma doença neurodegenerativa com perda progressiva de memória e sintomas cognitivo-comportamentais. Na prática, a pessoa sofre perda de memória, agitação psicológica e motora, depressão, transtornos afetivos com isolamento social, falha no reconhecimento facial e até aumento de agressividade.

Pesquisas indicam que as propriedades do canabidiol tem tido eficiência em casos de Alzheimer. Em laboratório, a substância apresentou capacidade de neurogênese, ou seja, de formar novos neurônios no hipocampo (onde acredita-se que são armazenadas as memórias), no cérebro de ratos. E isso é muito positivo para o tratamento, pois tem potencial de parar a perda progressiva da memória e da cognição.

Uma revisão de estudos publicado em 2019 na Revista Brasileira de Neurologia também demonstrou que o uso de THC e CBD pode proporcionar aumento na diferenciação celular, na expressão de proteínas axonais e sinápticas, além de apresentar efeito neuro restaurador. Isso resulta em maior atividade cerebral no hipocampo, o que facilita com que as memórias não se degenerem na velocidade assustadora da doença. 

Autismo

Nos últimos anos, cientistas têm descoberto similaridades entre o autismo e a epilepsia. Na primeira, o sistema de auto-regulação se desfaz e os neurônios excitatórios se empolgam, gerando uma reação em cadeia que resulta em um fluxo caótico de atividade que pode se manifestar de diversas formas, como no movimento descontrolado dos músculos.

Cientistas acreditam que algo similar possa estar acontecendo na cabeça das pessoas diagnosticadas com autismo. De acordo com a Teoria do Mundo Intenso, do pesquisador Henry Markram, o excesso de ativação neuronal na mente dos autistas gera um ganho extremo de intensidade na percepção dos estímulos sensoriais.

E o sistema endocanabinoide trabalha exatamente nessa regulação da atividade neuronal. Em pacientes com epilepsia, quando a atividade neuronal excessiva ocorre, os endocanabinoides são produzidos em resposta, o que faz a atividade excessiva dos neurônios se tranquilizem, cessando o ataque.

Diante desses fatos e de como o uso de CBD no tratamento de pessoas com epilepsia tem sido um sucesso, o teste com os autistas é uma consequência lógica. Alterações na expressão de receptores canabinoides periféricos foram verificados em pacientes autistas, sugerindo possíveis deficiências na produção e regulação de canabinoides produzidos pelo corpo. Esta hipótese foi confirmada recentemente para a anandamida, um importante endocanabinoide, que é reduzido em pacientes com TEA.

Em um estudo brasileiro publicado na revista científica Fronties in Neuroscience, todos os pacientes que passaram a receber o tratamento com o extrato de CBD tiveram algum tipo de benefício observado pelo uso da Cannabis. Quatorze dos quinze pacientes tiveram 30% de melhora em pelo menos um dos sintomas, sendo que sete deles apresentaram essa melhora em quatro ou mais dos sintomas analisados

Epilepsia

Pesquisas com pacientes epilépticos que tenham feito tratamentos com CBD estão tendo ótimos resultados. Um deles, realizado por pesquisadores da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, envolveu 72 crianças e 60 adultos que não respondiam aos remédios tradicionais.

Eles passaram a tomar Epidiolex, um remédio à base de CBD liberado para controle de convulsões, por pelo menos 12 semanas, com doses progressivamente maiores ao longo das semanas. O resultado foi que a maioria reduziu drasticamente a severidade e a quantidade de convulsões.

Outro estudo mostrou crianças que registravam 70 convulsões a cada 14 dias – cerca de cinco episódios diários. Doze semanas após o início do tratamento com CBD, as crises caíram timidamente: passaram para 69. Porém, após 6 meses, esse número caiu para 43. E, dentro de um ano, as convulsões passaram para apenas 27 vezes a cada duas semanas.

Em 2015, foram avaliados 17 estudos com uso de CBD nesses pacientes e, mais uma vez, as convulsões diminuíram. Em 2018, outros pesquisadores avaliaram seis pesquisas de CBD em pacientes epilépticos. A conclusão: “recentes estudos que incluíram mais de 100 participantes mostraram que o uso de CBD resultou em uma significante redução na frequência de convulsões. 

Fibromialgia

“A experiência de Cannabis para dor talvez seja a melhor experiência médica em termos de eficácia, pelos relatos dos pacientes. É disparada a indicação mais frequente, seja na oncologia ou na esclerose múltipla, para tratar a dor gerada pela doença”, explica o ortopedista Ricardo Ferreira, especialista em coluna e dor.

Ainda que os pacientes relatem melhora com os medicamentos convencionais (analgésicos, opioides e antidepressivos), é a maconha que tem apresentado os melhores resultados em casos de fibromialgia.

Uma pesquisa israelense realizou estudos clínicos para comprovar essa eficácia. Para 50% dos envolvidos, houve um ganho na qualidade de vida e redução nas dores da fibromialgia, e as pacientes abandonaram os medicamentos convencionais. Outros 46% reduziram pela metade a dose desses remédios químicos.

Frases como “voltei a ser a mesma pessoa de antes”, “queria ter recebido esse tratamento quando fui diagnosticado”, e “esse tratamento é milagrosos” impressionaram os pesquisadores. 

Parkinson

A dopamina está relacionada àquela sensação boa de quando conseguimos algo que queremos. Acontece que, em algumas pessoas, principalmente com o passar da idade, esses neurônios começam a morrer. Não se sabe muito bem o que desencadeia essa reação, mas ela atinge cerca de 3,3% dos brasileiros com mais de 65 anos. Porém, de cada dez pacientes, um tem menos de 50 anos. Essa condição é conhecida como Parkinson.

Com limitada produção de dopamina, o cérebro não consegue se comunicar direito com os músculos, e assim começam os tremores, rigidez e lentidão dos movimentos. Por estarem relacionadas também ao chamado sistema de recompensa, causa depressão, irritabilidade e dificuldade para dormir.

Pesquisadores descobriram receptores canabinoides e compostos endocanabinoides em grandes concentrações em áreas cerebrais envolvidas no processamento e execução de movimentos corporais, como, por exemplo, nos gânglios da base, onde se encontra a substância negra. 

Pesquisas em animais e humanos demonstraram que o sistema endocanabinoide passa por alterações neuroquímicas, conforme a Doença de Parkinson evolui. Estudos pré-clínicos também sugerem que, dependendo da fase da doença, os canabinoides podem modular as complexas alterações neuroquímicas causada pela redução dos níveis de dopamina.

Essas mesmas pesquisas sugerem que os canabinoides podem ajudar a combater o Parkinson por suas propriedades antioxidantes, anti-excitotóxicas – que leva à morte dos neurônios e anti-inflamatórias. Os resultados sugerem que tanto a maconha in natura quanto os canabinoides isolados (sintéticos e naturais) são bem tolerados e possuem propriedades terapêuticas para o tratamento de sintomas motores (bradicinesia, rigidez muscular, tremores) e não-motores (sono, humor, ansiedade, psicose, qualidade de vida).

Dra. Ana Paula Terra, membro da Sociedade Brasileira de Estudo da Cannabis (SBEC), explica que, embora pacientes que usem CBD recebam reforço na imunidade, o uso adulto de maconha deve ser evitado neste período, principalmente o compartilhamento de cigarros e utensílios.

Denise Tamer 

Além de uma alteração na rotina das cidades ao redor do mundo, a Covid-19 também traz à tona mudanças e dúvidas em relação a hábitos pessoais, como o consumo de maconha. Fumar maconha pode deixar o usuário mais exposto ao coronavírus?

A convite do portal Cannabis & Saúde, a médica uruguaia Ana Paula Terra conecta em diferentes pontos a Covid-19, o uso do CBD como eficiente forma de prevenção e sugere evitar o consumo compartilhado de maconha neste momento em que é imprescindível manter um cuidado maior com as vias respiratórias.

O hábito de fumar maconha torna o usuário mais exposto ao coronavírus?

O que é importante nesta situação é que fumantes de maconha são pacientes de risco, pelo fator respiratório. Todos os pacientes fumantes, seja de tabaco, cigarros eletrônicos ou maconha são fatores de risco. Pois este fator leva ao fato de que estas pessoas são pacientes com enfermidades obstrutivas crônicas, ter uma bronquite ou patologias associadas às vias respiratórias.

Ou seja, o método de transmissão do novo coronavírus acontece principalmente através de espirros ou o contato, através de gotas de mucosas oral ou nasal. E também por contatos. O vírus se transmite de mão em mão. Então temos que evitar o contato próximo e as aglomerações.

Como está acontecendo esta dinâmica no Uruguai?

No Uruguai temos, por exemplo, lugares para o consumo, então há muita gente aglomerada. Agora estes lugares estão suspensos devido ao coronavírus.

Antes de mais nada, temos que evitar a aglomeração para diminuir os riscos e evitar que este vírus sofra mutações. Portanto o que se recomenda para pessoas que consomem maconha já que o coronavírus é contagioso por contato, e também pelo espirro, é não consumir maconha com outras pessoas.

Ou seja, se o consumo acontecer que seja só de uma pessoa. Nós aqui no Uruguai somos um país que temos a liberação do consumo legalizado da maconha, então temos como nos proteger e fazer o consumo individualizado. Estou falando apenas do uso recreativo. Pois esta seria uma forma de uso recreativo. Não são pacientes que estão protegidos, são pacientes que fazem de forma recreativa.

O que os fumantes de maconha podem fazer para evitar o risco do coronavírus?

Não existe uma receita mágica. Mas sim se pode dizer que é importante fumar sozinho, evitar o contato de saliva, ponteiras de cigarros, evitar passar de boca em boca os cigarros e os fluídos das pessoas. Se falamos em vaporizadores, é importante evitar o uso de pipas. E assim evitar também o contato da mucosa bucal. Importante dizer que qualquer objeto que se tenha em casa para fabricar o cigarro de maconha, também é um fator de risco, caso tenha contato com outras pessoas. O conselho é não compartilhar nada, o contágio acontece a partir de microgotas.

O que recomendo para todas as pessoas e consumidores de maconha: é lavar as mãos e superfícies onde outras pessoas tiveram contato, não levar as mãos ao rosto. Se há risco na região onde vivem e de nenhuma maneira se deve dividir o cigarro da maconha. Nem pipas, de nenhuma maneira.

E quanto aos usuários de Cannabis medicinal e a pandemia da Covid-19?

Antes de tudo, é fundamental esclarecer sobre os óleos de Cannabis: aqui no Uruguai, no Brasil e no mundo há muitas variedades de óleos.

Para uso medicinal, por exemplo, normalmente trabalhamos com o CBD. Não é que ele ataque o vírus. Não é que cure também o coronavírus. Ele não afeta diretamente o ingresso do vírus no organismo. O CBD, sim, melhora e aumenta muito a imunidade da pessoa que o utiliza.

Lembrando que o CBD é a parte que não contém efeitos psicotrópicos. O THC, que é o que contém psicotrópicos, utilizamos para determinadas patologias, como o câncer, na qual a célula precisa de um pouco de THC para realizar apoptose. Então nossos pacientes que utilizam CBD, as gotas de canabidiol, estão expostos ao coronavírus.

A questão é que a imunidade deles será muito mais alta, e o tempo de recuperação do organismo pode ser menor. Para falar um pouco sobre os tipos de óleos de Cannabis que se deve utilizar, ou qual recomendaríamos, sempre quando a fonte, o local onde o óleo do paciente é comprado seja de confiança e tenha os critérios necessários, quais médicos que prescreveram os óleos, informando as porcentagens de CBD e THC, ou apenas CBD.

No Uruguai, temos a venda em farmácias, mas existem outras fontes, que também vendem, com boa qualidade e que são recomendados. Inclusive, que apresentam melhores atividades clínicas. Ou seja, não é porque veio da Holanda, Estados Unidos ou Europa que temos um medicamento que seja melhor para a clínica. Pacientes podem se identificar com óleos que não necessariamente foram importados para o Uruguai.

Logo, para não dar nomes aos óleos de Cannabis e suas marcas. Mas falar sim do porque não expor e recomendar estes tipos de óleos de Cannabis? Então, quando o médico que prescreve coloca em suas receitas médicas o CBD, seja ao 30%, 15% ou 5% ou 2%, este paciente vai procurar o produto na farmácia ou com um assessor.

Eu participo do grupo SBEC, a da Sociedade Brasileira de Estudo da Cannabis, que é um informativo e um grupo sobre estudos da Cannabis medicinal. Fui a algumas reuniões sobre pacientes e mais que nada é uma orientação. Prescrevo muito Cannabis medicinal e tenho ótimos resultados. Principalmente pacientes com Parkinson, Alzheimer, artrite, artrose, síndrome do pânico e crianças com epilepsia.

É devido a resposta positiva do organismo dos pacientes que o uso do CBD está crescendo?

Sim. É justamente por isso que se vê que o uso do CBD tem aumentado muito. No Uruguai e no mundo. Devido ao fato de que os pacientes notaram um aumento na imunidade, entre outras coisas. Assim como também notaram melhorias em patologias e foi observado também uma resposta do organismo totalmente diferente.

Cheia de propriedades anti-inflamatórias, a Cannabis pode auxiliar no aumento da imunidade. Mas é falsa a informação que ela combate o Coronavírus e, para evitar a doença, as já conhecidas medidas de prevenção devem ser seguidas

Danilo Lacalle 

No cenário atual, onde a ciência corre contra o tempo para conseguir achar uma solução que pare a pandemia do Coronavírus, a população tem buscado a prevenção e o aumento de imunidade. E, para isso, não faltam alternativas. Fontes de vitamina C estão sendo as mais procuradas. Mas uma questão tem sido levantada: o CBD e a Cannabis medicinal podem afetar a contração ou a recuperação do Covid-19? Além disso, existe possibilidade de que anti-inflamatórios tenham efeito positivo no combate, lembrando que o CBD também é um anti-inflamatório?

Para saber todas as novidades, siga nosso Instagram

Nos hospitais, a recomendação médica tem sido manter o acetaminofeno para a febre. Evitando os Anti-Inflamatórios sem esteroides, como o Ibuprofeno. Mas a questão em relação à efetividade da cannabis no combate ao coronavírus se deu graças às redes sociais.

No Facebook, muitos defensores da CBD e da cannabis estão alegando que eles aumentaram sua imunidade com sucesso contra todos os vírus. Além disso, estão recomendando que outras pessoas façam o mesmo. Fato que deixa a comunidade médica preocupada quanto à veracidade de afirmações e a disseminação de fake news que ocorrem nestes períodos de notícias cruzadas. Isso porque a intenção é que as pessoas se informem ao máximo, protegendo a própria saúde e a dos demais entes queridos.

Hoje, temos evidências de que a Cannabis pode melhorar o sistema imunológico. Doenças como fibromialgiaepilepsia, e até mesmo dores causadas por inflamações podem se enquadrar em um tratamento medicinal com a planta. Existem, inclusive, alguns estudos sobre o uso de cannabis medicinal e uso de cannabis defumado com a progressão do HIV.  Porém, quanto ao CBD e à cannabis, não existem estudos mostrando sua efetividade perante ao coronavírus.

Mesmo aumentando o sistema imunológico, isso não signfica que quem usa a cannabis esteja imune à infeção. Mas também não significa que uma pessoa que contraia o vírus e tenha falta de ar, não possa se beneficiar do uso da medicação para aliviar os sintomas. Apesar que, ao apresentar sintomas mais graves, a pesosoa deve ser levada a um hospital, onde não deve ser administrado o uso de cannabis. A não ser, claro, que já faça uso regular do medicamento e os médicos concordem em manter esse tratamento. É o que explica a médica Ane Hounie, pós-doutora em Psiquiatria pela USP e que hoje é uma das principais especialistas em Cannabis medicinal no Brasil.

Quando as pessoas disseminam a notícia de uma “cura milagrosa”, é preciso ter em mente que este fato, mesmo que bem intencionado, pode prejudicar a indústria. Isso porque as pessoas podem passar a buscar o medicamento como uma solução 100% eficaz e, assim, estarem suscetíveis a golpes.

Esse efeito pode distanciar a medicina e os pesquisadores mais “convencionais, prejudicando o progresso que a medicina vegetal fez nos últimos anos. Estes, por meio de pesquisas e projetos acadêmicos, em parceria com grandes universidades.

A cannabis e o auxílio ao sistema imunológico

Como já se sabe, o grupo de risco dos infectados pelo Covid-19 é bem claro: pessoas maiores de 60 anos. Além disso, enquadram-se, também, os que têm doenças autoimunes, pulmonares, pacientes oncológicos e quem tem problemas com imunidade, em geral.

Primeiro, é importante que se evite o consumo de álcool, fator que influencia na queda da imunidade. Além disso, permanecer ativo enquanto ficamos em casa e adotar uma simples prática de relaxamento ou meditação, para diminuir o estresse, também é uma boa medida.

Comer uma dieta rica em micronutrientes como zinco, vitamina C, flavonóides como a quercetina (presentes nas maçãs e brócolis e…cannabis),  são coisas boas para começar agora, se você ainda não fez.

Além disso, é ideal que nossa melatonina esteja alta. Este é o hormônio do sono, produzido enquanto dormimos. Fundamental para a função imunológica saudável. As práticas de respiração profunda e o riso também podem ter um efeito positivo em nosso sistema imunológico. Assim, você pode se auto-ajudar na quarentena vendo um filme engraçado e dando uma boa gargalhada profunda, para fazer com que os pulmões funcionem enquanto você se isola.

Mesmo se você fizer tudo certo, ainda poderá contrair o coronavírus. Mas a “boa” notícia é que a maioria das pessoas que não pertencem a grupos de alto risco, terão um curso leve de doença e se recuperarão em casa. Algumas pessoas, inclusive, podem até não apresentar nenhum sintoma. Ou, até mesmo, saber que o tiveram. Razão pela qual o distanciamento social é tão importante, uma vez que se pensa que as taxas de transmissão assintomáticas são bastante altas com o Covid-19. A única maneira de se proteger contra o vírus, é o isolamento social. Mantendo-se fora de circulação. E que, quando sair, exerça as devidas precauções.