A pandemia que se instaurou devido ao novo Coronavírus fez com que diversos estados americanos adotassem medidas preventivas para evitar o contágio da doença em maior escala. Entre elas, estão o fechamento de shoppings, comércios de vestimentas e pontos de entretenimento como teatros e cinemas. Estão sendo permitidos apenas o funcionamento de lugares essenciais para os cidadãos, como hospitais, farmácias ou supermercados. E, na Califórnia, outro setor entrou para a lista: os dispensários de Cannabis.

No estado, onde a planta é legalizada para uso médico e recreativo, as autoridades de São Francisco fizeram distinções entre os dois mercados, antes de decreto.

Siga a gente no Instagram do Cannabis & Saúde

Na terça-feira, a cidade emitiu uma ordem de saúde pública exigindo o fechamento de negócios não essenciais. Embora os dispensários de maconha medicinal fossem considerados essenciais, portanto isentos, os varejistas do uso recreativos não eram e estavam proibidos. No dia seguinte, o site municipal foi atualizado, falando que instalações médicas e recreativas eram consideradas essenciais. Ellen Komp, vice-diretora do grupo californiano de advocacia NORML, explicou que muitos varejistas atendem aos dois mercados, assim como o restante da cadeia de suprimentos de Cannabis.

No período atual, as lojas de Cannabis estão presenciando um grande aumento nas vendas que começaram no fim de semana. Além da Califórnia, alguns estados, como Michigan, Illinois, Massachusetts, Washington e Nova York, publicaram boletins que afrouxam os regulamentos sobre entrega e transações na loja, a fim de limitar o contato entre pacientes e fornecedores.

Dispensários de cannabis fora da Califórnia

De acordo com orientação pública emitida pelo Departamento de Saúde de Nova York, os dispensários do estado poderão expandir seu serviço de entrega sem a aprovação prévia do governo. Além de realizar vendas pela porta da loja, desde que cumpram todos os regulamentos e leis, como registrar a transação na câmera e validar a identificação dos pacientes.

No último sábado, um canal de televisão de Boston transmitiu imagens de clientes fazendo fila do lado de fora do New England Treatment Access (NETA), em Brookline. Uma das poucas lojas de Cannabis licenciadas que operam em Massachusetts. Ainda, a loja anunciou que apenas atenderá à demanda de clientes que fizerem suas compras com antecedência, devido à alta procura. Dentro da loja, os funcionários estavam utilizando luvas de látex e álcool em gel, que ficava ao lado de cada caixa.

Em Illinois, Pensilvânia e Washington, o governo determinou que os dispensários de Cannabis também façam suas vendas nas “propriedades do estabelecimento”, não sendo permitida a entrega por meio de delivery aos pacientes.

De acordo com o Departamento de Saúde da Pensilvânia, em declaração oficial na última terça-feira, “os dispensários de maconha medicinal são considerados iguais às farmácias. Portanto, são essenciais durante esse período de quarentena”.

A Comissão de Controle de Cannabis de Massachusetts aconselhou, na sexta-feira, os dispensários médicos a prestarem serviços nas áreas dos estabelecimentos, pedindo para que os pacientes peçam individualmente e em maiores quantidades.

Em Michigan, a agência reguladora da Cannabis declarou que aprovar todos os métodos de entrega usados ​​pelos varejistas dos dispensários.

Vale lembrar que, nos Estados Unidos, apenas 3 dos 50 estados não permitem a utilização da cannabis. E 11 destes permitem a utilização da planta para fins recreativos.

Fonte: Portal Cannabis e Saúde, matéria publicada em 19/03/2020.

Cheia de propriedades anti-inflamatórias, a Cannabis pode auxiliar no aumento da imunidade. Mas é falsa a informação que ela combate o Coronavírus e, para evitar a doença, as já conhecidas medidas de prevenção devem ser seguidas

No cenário atual, onde a ciência corre contra o tempo para conseguir achar uma solução que pare a pandemia do Coronavírus, a população tem buscado a prevenção e o aumento de imunidade. 

E, para isso, não faltam alternativas. Fontes de vitamina C estão sendo as mais procuradas. Mas uma questão tem sido levantada: o CBD e a Cannabis medicinal podem afetar a contração ou a recuperação do Covid-19? Além disso, existe possibilidade de que anti-inflamatórios tenham efeito positivo no combate, lembrando que o CBD também é um anti-inflamatório?

Para saber todas as novidades, siga nosso Instagram

Nos hospitais, a recomendação médica tem sido manter o acetaminofeno para a febre. Evitando os Anti-Inflamatórios sem esteroides, como o Ibuprofeno. Mas a questão em relação à efetividade da cannabis no combate ao coronavírus se deu graças às redes sociais.

No Facebook, muitos defensores da CBD e da cannabis estão alegando que eles aumentaram sua imunidade com sucesso contra todos os vírus. Além disso, estão recomendando que outras pessoas façam o mesmo. Fato que deixa a comunidade médica preocupada quanto à veracidade de afirmações e a disseminação de fake news que ocorrem nestes períodos de notícias cruzadas. Isso porque a intenção é que as pessoas se informem ao máximo, protegendo a própria saúde e a dos demais entes queridos.

Hoje, temos evidências de que a Cannabis pode melhorar o sistema imunológico. Doenças como fibromialgiaepilepsia, e até mesmo dores causadas por inflamações podem se enquadrar em um tratamento medicinal com a planta. Existem, inclusive, alguns estudos sobre o uso de cannabis medicinal e uso de cannabis defumado com a progressão do HIV.  Porém, quanto ao CBD e à cannabis, não existem estudos mostrando sua efetividade perante ao coronavírus.

Mesmo aumentando o sistema imunológico, isso não signfica que quem usa a cannabis esteja imune à infeção. Mas também não significa que uma pessoa que contraia o vírus e tenha falta de ar, não possa se beneficiar do uso da medicação para aliviar os sintomas. Apesar que, ao apresentar sintomas mais graves, a pesosoa deve ser levada a um hospital, onde não deve ser administrado o uso de cannabis. A não ser, claro, que já faça uso regular do medicamento e os médicos concordem em manter esse tratamento. É o que explica a médica Ane Hounie, pós-doutora em Psiquiatria pela USP e que hoje é uma das principais especialistas em Cannabis medicinal no Brasil.

Quando as pessoas disseminam a notícia de uma “cura milagrosa”, é preciso ter em mente que este fato, mesmo que bem intencionado, pode prejudicar a indústria. Isso porque as pessoas podem passar a buscar o medicamento como uma solução 100% eficaz e, assim, estarem suscetíveis a golpes.

Esse efeito pode distanciar a medicina e os pesquisadores mais “convencionais, prejudicando o progresso que a medicina vegetal fez nos últimos anos. Estes, por meio de pesquisas e projetos acadêmicos, em parceria com grandes universidades.

Fake news divulgada na internet sobre Cannabis e Coronavírus

Fake news divulgada na internet sobre Cannabis e Coronavírus

A cannabis e o auxílio ao sistema imunológico

Como já se sabe, o grupo de risco dos infectados pelo Covid-19 é bem claro: pessoas maiores de 60 anos. Além disso, enquadram-se, também, os que têm doenças autoimunes, pulmonares, pacientes oncológicos e quem tem problemas com imunidade, em geral.

Primeiro, é importante que se evite o consumo de álcool, fator que influencia na queda da imunidade. Além disso, permanecer ativo enquanto ficamos em casa e adotar uma simples prática de relaxamento ou meditação, para diminuir o estresse, também é uma boa medida.

Comer uma dieta rica em micronutrientes como zinco, vitamina C, flavonóides como a quercetina (presentes nas maçãs e brócolis e…cannabis),  são coisas boas para começar agora, se você ainda não fez.

Além disso, é ideal que nossa melatonina esteja alta. Este é o hormônio do sono, produzido enquanto dormimos. Fundamental para a função imunológica saudável. As práticas de respiração profunda e o riso também podem ter um efeito positivo em nosso sistema imunológico. Assim, você pode se auto-ajudar na quarentena vendo um filme engraçado e dando uma boa gargalhada profunda, para fazer com que os pulmões funcionem enquanto você se isola.

Mesmo se você fizer tudo certo, ainda poderá contrair o coronavírus. Mas a “boa” notícia é que a maioria das pessoas que não pertencem a grupos de alto risco, terão um curso leve de doença e se recuperarão em casa. Algumas pessoas, inclusive, podem até não apresentar nenhum sintoma. Ou, até mesmo, saber que o tiveram. Razão pela qual o distanciamento social é tão importante, uma vez que se pensa que as taxas de transmissão assintomáticas são bastante altas com o Covid-19. A única maneira de se proteger contra o vírus, é o isolamento social. Mantendo-se fora de circulação. E que, quando sair, exerça as devidas precauções.

Fonte Portal Cannabis e Saúde, matéria publicada em 20/03/2020